Arquivo do Blog

segunda-feira, 8 de abril de 2013

Quem é Deus, nas cartas de tarô?

Será que o universo conspira mesmo à nosso favor? Será que realmente existe uma força cósmica capaz de realizar nossos desejos? Magia? Energia divina? Deus?

Tem muita gente que acredita em pré destino, que nascemos já com uma rota traçada da qual não podemos e nem devemos mudar a direção. Eu creio que o nosso destino somos nós quem fazemos, somos nós que o traçamos e que chegamos aqui com a única e simples missão de sermos felizes, mas a felicidade é muito específica e diferente para cada um de nós, ninguém pode chegar em sua frente e te apontar o que você deve fazer para ser feliz, essa é uma escolha individual e muito particular, apenas você mesmo é capaz de saber o que te traz alegria, bem estar e realização.

Existem muitas frases feitas e ditos populares no que se refere a Deus: Deus é bom, Deus é pai, Deus é fiel, mas eu sempre achei que a mais verdadeira é : Deus é justo! Porque para ser justo não cabe uma visão do bem e do mal, mas a do ponto de equilíbrio, assim como mostra a carta da justiça:

As duas colunas da justiça que reprentam o poder e a sabedoria, a balança simbolizando o equilíbrio das forças, o piso quadriculado; a representação do quadrado ( limites, normas, ordem), as cores preto e branco que simbolizam o bem e o mal, o certo e o errado, a dúvida e a certeza, a justiça acima de tudo - séria, fria e imparcial.

Esta para mim é a imagem que mais se aproxima da figura de Deus, da energia cósmica ou de qualquer outro nome que se possa dar a essa energia superior e divina em que acreditamos.

Não acredito que exista um senhor bonzinho, barbudo, sentado num trono nas nuvens, que ouça nossas súplicas e por ser tocado profundamente no coração, com nossas lágrimas, preces implorativas e lamentações, resolva nos dar uma benção tirada de seu bolso e nos dê de presente. Não, isso se parece mais com papai Noel!

Não consigo imaginar Deus como uma pessoa, mas creio no que aprendemos lá nas aulas de catequese que somos a imagem e semelhança de Deus. Nós somos formados por átomos, somos energia! Vejo Deus como uma energia inteligente que atua de forma justa no universo como um todo, desde a ordem das galáxias, dos planetas, das leis que regem a natureza, o clima e os eventos na Terra, até no nosso corpo, órgãos e células, portanto não vejo Deus como um ser que sorri e fica triste, o vejo como um maestro, concentrado em seus instrumentistas para que a sinfonia toque de forma perfeita. Como um bom maestro, Deus agirá de forma coerente e justa se perceber que um de seus intrumentistas está desafinando, ele ñao será piedoso dizendo: Tudo bem, fliho, eu entendo seus problemas, vou permitir que toque na minha orquestra mesmo assim porque sei que está cansado de tanto trabalhar, que tem dívidas e está doente. Como um ser justo, que visa o equilíbrio, o vejo dizendo: Se retire, está desafinado e não pode fazer parte da orquestra porque está fora da harmonia. E Ele, não irá depois passar a mão na cabeça deste que desafinou e nem vai propor dar a ele mais aulas para que ele melhore. Deus irá deixar que essa pessoa resolva o que fazer por ela mesma: O LIVRE ARBÍTRIO. Se o músico perceber que precisa melhorar e buscar por isso, se se esforçar trabalhando e se dedicando mais, entrará novamente na energia do equilíbrio da orquestra e naturalmente terá sua posição de volta, mas se acaso o músico ficar desestimulado, desanimado, passando a não acreditar mais em suas forças, permanecerá mais e mais fora da harmonia e Deus não irá pegá-lo no colo, irá deixar que ele siga aquilo em que acredita, pois o universo conspira a favor daquilo em que você acredita!

Penso que não é certo esperar pela ajuda de Deus, mas em primeiro lugar nos esforçarmos para entrar em equilíbrio com o universo, uma vez que estejamos equilibrados com a natureza, com o meio em que vivemos, com as pessoas, é como nos aproximamos da energia divina. 



Drika Gomes
Taróloga e Numeróloga








Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário