Arquivo do Blog

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Quando o tarô se torna um vício

Drika Gomes taróloga
Tomo por princípio que qualquer dependência não faz bem e no que se refere às consultas de tarô, sou muito firme no que se refere a não fazer do cliente uma pessoa dependente, pois isso em nada auxilia a pessoa em seu processo de crescimento. Acontece que muitos(as) clientes, por passarem por uma situação difícil e estarem num momento muito frágil de suas vidas, acabam utilizando o tarô como uma tábua de salvação, se apegando ao ponto de não tomarem decisões no seu dia-a-dia sem antes consultar às cartas e o bom tarólogo, o profissional consciente, quando percebe esse comportamento sabe que é momento de mudar  seu direcionamento, fazendo com que esse(a) cliente vá ganhando entendimento  e com isso comece a ganhar mais confiança em si mesmo(a) para que suas decisões sejam tomadas por conta própria. 

Clientes que nos procuram semanalmente, sempre com os mesmos questionamentos, além de mostrarem que não estão conseguindo entender os conselhos das cartas, mostram também sua total insegurança e falta de confiança nas previsões que lhe foram dadas.

Como agir num caso destes?

Nada melhor do que uma boa conversa, orientando essa pessoa numa consulta terapêutica para que sua autoconfiança se torne mais forte. Muitas vezes entro com terapêuticas que auxiliam nas consultas de tarô, como a Mesa Radiônica, por exemplo, que atua energeticamente desbloqueando chakras, ativando pontos que podem estar em baixa e harmonizando as energias divinas da pessoa.

Um ponto crucial é que clientes dependentes são geralmente super emotivos, se magoam muito facilmente e qualquer palavra que diga que não seja muito clara e ao mesmo tempo sutil pode fazer um grande estrago, então é necessária bastante cautela e um jeito carinhoso de abordar, cada pessoa é um universo e como tarólogos e terapeutas temos  a obrigação de saber lidar com cada um.

Conheci muita gente por aí que se dizia tarólogo, mas que seguia uma metodologia de incentivar o vício nos clientes. Infelizmente, são pessoas assim que mancham nossa categoria, porém existem também aqueles profissionais sérios, que amam o que fazem e que respeitam seus clientes.



Drika Gomes
Taróloga e terapeuta






Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário