Arquivo do Blog

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Relato de sucesso na terapia de Tarô + Mesa radiônica


Quando era criança eu brincava na casa de uma amiguinha, cuja os pais haviam se separado e a mãe e ela haviam se mudado recentemente para aquele bairro. Eu ia brincar na casa dela, pois ela não gostava de sair, ia apenas para escola porque a mãe a levava e buscava. Eu, com meus dez anos de idade, não entendia porque ela não saia de casa, ela apenas dizia que sentia muito medo do que existia do lado de fora.

Certa vez, com muito custo, eu a convenci a ir comigo até um armazém que ficava na mesma rua para comprar uns doces e ela me disse - tudo bem, eu vou, mas não solta a minha mão, tá? - Segurei bem firme na mão dela e fomos andando, cada passo dela parecia pesar o dobro de seu peso, caminhávamos lentamente. As mãos dela tremiam e nos olhos havia uma expressão terrível de pavor que se acentuava com barulho dos carros passando e até mesmo com alguma ave que voasse muito perto. Sentia pena, eu sabia que ela estava sofrendo e mesmo assim continuava ali comigo em passos pesados e vagoros. Quando faltavam poucos metros para chegarmos ao armazém, um garoto que empinava uma pipa, desceu a rua correndo e deu um grito muito alto para um amigo dele que estava mais distante, naquele exato momento senti a mão da minha amiga deslizar e ela caiu desmaiada. Foi um fato muito marcante, me apavorei, pensei que ela tivesse morrido, a sacudi, chamei por ela, logo apareceram vizinhos adultos que constataram que era um desmaio e que ela estava viva. Ela foi levada para casa, se recuperou, mas seus medos a acompanharam até a vida adulta, anos de terapia e nada a fez melhorar, só veio a compreensão de que sua síndrome era decorrência da "perda" do pai na sua infância.

Essa minha amiga nunca acreditou em esoterismo, em energias e nem na espiritualidade, se recusava constantemente aos meus convites para uma terapia com o tarô e mesa radiônca, até que por fim, ela resolveu experimentar com o argumento de que pior do que ela estava não podia ficar.

Com seus 45 anos, solteira, sem filhos, sofria de depressão e teve 2 tentativas de suicídio.

Na primeira consulta ela chegou vestida como se tivesse acabado de sair da cama, com roupas amarrotadas, cabelos mal penteados, completamente desleixada. Ela estava com rigidez no pescoço e se mostrava muito travada, sentou-se em minha frente, cruzou os braços, não conseguia me olhar nos olhos e sacudia as pernas sem parar. Era nítido o seu incômodo, o corpo dela gritava: quero sair correndo desse lugar!

Sentindo o enorme grau desse incômodo que vinha dela e ao mesmo tempo uma energia densa que pairava no ar,  intuí que ela estava acompanhada, haviam presenças ali com ela nada sutis, tanto que logo comecei a bocejar e lacrimejar, a conduzi para uma sessão de reiki antes de iniciar com o tarô. Após 15 minutos verifiquei o nível de energia divina que ela estava e a mesa radiônica apontou míseros 25%, uma quantidade baixíssima, logo entendi que haveria muito a ser trabalhado ali.

Assim foi nas primeiras vezes, até que ela foi se soltando aos poucos, conforme ia percebendo a tamanha clareza que as cartas de tarô transmitiam, ela ia se conscientizando mais.

O tarô agia como seu espelho, refletindo o seu inconsciente, o que trazia a ela a compreensão dos acontecimentos, dos seus medos, suas fraquezas; os motivos que a levaram ao ponto que chegou e a mesa radiônica atuava com seu sistema de energias, promovendo em todos os níveis: mental, emocional, energético e espiritual, o equilíbrio e harmonização com a energia divina.

Vale ressaltar, que ela não deixou de fazer a terapia tradicional com psicólogo, ela fazia comigo um tratamento em conjunto, um complementando o outro e toda consciência que ela recebia nas consultas comigo a ajudavam muito a desenrolar temas junto ao psicólogo.

Apenas 5 consultas comigo de Tarô + Mesa radiônica + Reiki foram suficientes para um alto grau de melhora, pois na última consulta ela apareceu sorridente, usando um vestido florido, estava perfumada, cabelos escovados. Deitou-se confortavelmente na maca para receber o reiki, depois se manteve aberta para a consulta. Eu sentia a leveza dela, era como tivesse soltado 300 quilos dos ombros. Naquela mesma consulta a mesa radiônica mostrou ótimos níveis de energia divina e apontou que não havia necessidade de repetir o tratamento, havíamos chegado aos 100%.

Poucos meses após esse tratamento, minha amiga se estabeleceu profissionalmente e no seu ambiente de trabalho encontrou seu grande amor. Hoje ela tem alegrias e motivos para sentir vontade de viver, aqueles medos todos não a atrapalham mais, sua vida ganhou sentido e cores novas.
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário