Arquivo do Blog

quarta-feira, 31 de maio de 2017

Qual máscara você usa?

A vida é uma grande peça de teatro, todos nós somos personagens na história, podemos ser o ator principal (o que seria mais correto), mas muitas vezes as pessoas assumem papéis coadjuvantes para vivenciar a própria vida. Uma coisa em comum é que todos usamos máscaras, nem sempre é a mesma porque às vezes a gente troca, dependendo da imagem ou impressão que quer passar e nessa grandiosa peça da vida vivenciamos diversas facetas: o herói, o vilão, a vítima, o algoz, o religioso, o misterioso e por aí vai.

Por que será que é tão difícil ser autêntico e representar exatamente aquilo que se é? 

Ninguém consegue expressar sua real essência quando se aprende desde muito cedo que é preciso se moldar a determinados padrões para ser aceito na sociedade. 

Certa vez, quando criança, recebemos em casa a visita de uma tia que eu não conhecia e eu a estranhei, achei a cara dela feia e carrancuda e não quis dar um beijo nela, quando tentei fugir para ir brincar meu pai me puxou pela orelha e disse que eu tinha de dar um beijo nela pois era falta de educação, muito contrariada eu dei um beijo muito rápido nela e a tia carrancuda apertou minha bochecha e disse que eu era muito linda, eu fiquei com raiva porque ela me machucou com aquele apertão e a minha vontade era de dar um beliscão na pança dela kkkkkk, resisti a esse impulso e tentei me desvencilhar daquele abraço com cheiro de talco azedo e meu pai disse: 
- agradeça pelo elogio e diga que a tia também é linda. 
Hã? fiquei em choque. Meu pai é louco, só pode ser, essa tia tem cara de belzebu - pensei sem entender nada. Como continuei calada e sem saber o que fazer, meu pai insistiu que eu agradecesse a elogiasse de volta e com muita contrariedade, só para não apanhar eu disse rapidamente: 
- Obrigada, a senhora é linda. - saí correndo dali porque achei tudo muito estranho, meu pai me mandando mentir? Ou será que ele achava que era linda mesmo?

Isso foi apenas um exemplo de tantos outros modos que nossos pais, a religião, a escola e etc, constantemente nos moldam, acabamos por nos tornar aquilo que não somos e sim aquilo que querem que sejamos.

A realidade é que assim funciona a sociedade, temos verdades moldadas para se encaixar no mundo e desta forma podermos viver de forma civilizada, mas no entanto, mesmo com a necessidade de máscaras, ainda podemos manter a nossa própria essência, pois ela não deve ser ignorada e nem esquecida.

Se você é uma pessoa muito autoritária e tem temperamento explosivo, claro que não é nada saudável sair por aí dando porrada nos outros e mandando todo mundo pro inferno. Dá para ser uma pessoa mais equilibrada, porém mantendo sua essência e sua energia para atuar em áreas que precisam dessa força, como por exemplo numa situação que precise de comando imediato ou num momento que exija uma postura mais firme e explosiva.

As máscaras ajudam a nos socializar porque a nossa essência é primitiva e crua, precisa de lapidação, mas jamais pode ser trancada num baú porque aí então deixaríamos de ser pessoas, para nos tornarmos fantoches.







Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário